Jornal a Voz do paraná
HomeHomeMais notícias homeEmpresas não estão preparadas para às exigências da LGPD

Empresas não estão preparadas para às exigências da LGPD

Empresas não estão preparadas para às exigências da LGPD

Faltando um ano para entrar em vigência em todo o território brasileiro, em agosto de 2020, a Lei Geral de Proteção de Dados, ou simplesmente LGPD, está causando uma verdadeira “dor de cabeça” na maioria dos empresários e gestores do país, independente do tamanho da companhia. Os desafios à efetivação das novas regras, como a adaptação da empresa ao que é exigido pela lei, e a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão regulador previsto para aplicar e fiscalizar a lei, faz com que a maioria das empresas não se considere pronta para atender às novas regras.

É o que mostra a pesquisa realizada pela Serasa Experian, em março deste ano, que ouviu executivos de 508 pequenas, médias e grandes empresas, de todos os segmentos da economia brasileira, em todas as regiões do país. Segundo o levantamento, 85% das empresas afirma que não estão preparadas para garantir os direitos e deveres em relação ao tratamento e coleta de dados pessoais em conformidade com a lei. A pesquisa ainda revela que 72% das companhias com mais de 100 funcionários pretendem contratar serviços terceirizados para auxiliar na adequação à lei.

Para o especialista em segurança da informação da Indyxa, Tiago Brack Miranda, a primeira coisa a ser feita é entender e identificar quais dados são gerenciados e manipulados internamente, analisando como eles são armazenados e protegidos de possíveis ameaças. “As empresas devem começar o quanto antes, revisando seus processos, com a intenção de visualizar o que já está em conformidade com a lei, e o que ainda não está, a fim de ter tempo hábil para corrigir e evitar problemas futuros. Garantindo que a empresa tenha o total controle de todos os dados que coletam, desde o momento em que eles entram na empresa, até o momento em que são apagados”, disse.

Adequação à lei nos setores da economia brasileira

A pesquisa mostrou que 31,8% do setor financeiro está pronto para as exigências da lei, apresentando um desempenho duas vezes maior do que os outros setores da economia brasileira. Enquanto a média nacional foi de 15,2%. Um dado que chama a atenção é a colocação dos outros setores da economia. O setor de saúde e hospital, por exemplo, ocupa a última posição, com apenas 8,7% das empresas em conformidade com a lei. Precisando de mais tempo para se adaptar a legislação, cerca de 34,8% das organizações dizem que vão precisar de seis meses a um ano para estarem totalmente prontas para a lei. “A saúde representa um dos setores mais visados por criminosos digitais. Além de possuir dados pessoais dos pacientes, também possui dados classificados como sensíveis perante a Lei. O vazamento de tais dados poderá implicar em duras sanções pela Agência Nacional de Proteção de Dados.”, explicou Miranda.

A pesquisa também revelou que o setor de serviços permanece na segunda posição, com 19,6%. O varejo, por sua vez, ocupa o terceiro lugar, com 17,9% das empresas adaptadas e dentro do que pede a lei.

Sobre a Indyxa

Uma das maiores empresas de tecnologia do Sul do país, com mais de 120 colaboradores, distribuídos em quatro sedes (Blumenau, Brusque, São Paulo e Cidade do México), a empresa possui mais de 15 anos de experiência no segmento. Integramos em nosso portfólio soluções e serviços em infraestrutura de TI com inteligência de negócios, cloud services, segurança e continuidade, ativos e projetos e serviços gerenciados.

Rate This Article

avozdoparana@jornalavozdoparana.com.br

feito com