Jornal a Voz do paraná
HomeHomeMicheletto defende Estado livre de febre aftosa sem vacinação

Micheletto defende Estado livre de febre aftosa sem vacinação

Micheletto defende Estado livre de febre aftosa sem vacinação

A Assembleia Legislativa realizou na quarta-feira (28), uma audiência pública com a temática “Paraná Livre de Aftosa Sem Vacinação”. Na ocasião, o deputado estadual, Marcel Micheletto, afirmou que o momento é histórico, pois o Estado segue a passos largos na para conseguir por parte do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a declaração do Estado livre de febre aftosa sem vacinação. “Na condição de um filho que honra a história do seu pai, eu jamais vou fugir das minhas origens. Hoje, estamos demostrando a nossa vocação e acima de tudo a competência do agronegócio paranaense. Esse sim é o Paraná, o Brasil que dá certo, formado por homens e mulheres valentes. É chegado o momento para celebrarmos essa conquista e, consequentemente, agregarmos ainda mais a nossa economia e o nosso estado está sendo exemplo para o Brasil”, afirmou o parlamentar.
A última campanha de vacinação do rebanho bovino e bubalino foi em maio deste ano. Caso o Paraná passe à nova categoria, a próxima campanha, prevista para novembro, pode nem ocorrer. O argumento é que os produtores vacinam seus rebanhos sem necessidade, já que o vírus da aftosa está erradicado no Estado. O último foco de febre aftosa foi em 2006. Desde então, não houve mais registros de circulação viral no território paranaense.
A estimativa é de que a medida de elevar o Estado ao status de área livre de aftosa gere aos produtores paranaenses uma economia de cerca de R$ 30 milhões gastos na vacinação. Além disso, a chancela concedida pela OIE possibilita ao Estado ampliar o comércio mundial de carnes, acessando mercados que têm restrições ao rebanho vacinado. Por fim, outro benefício destacado é separação do Paraná do bloco formado por 25 estados também considerados como área livre com vacinação. A medida visa proteger o Estado, fazendo com que ele não seja prejudicado caso, em uma eventualidade, focos da doença apareçam em outras localidades.
Atualmente, o único estado livre da aftosa sem vacinação é Santa Catarina. Segundo o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, cerca de 35 milhões são gastos por ano com vacinas da febre aftosa, doença que não é diagnosticada desde 2006.
Além da doença já estar erradicada, com o reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação, o Estado do Paraná poderá ter acesso a mercados que pagam mais por carnes livres de vacinação e dobraria as exportações de carne. Nos dias atuais, por ano, o Paraná é responsável por exportar cerca de 107 mil toneladas, com a liberação do fim da vacinação, poderia alcançar 200 mil toneladas.

Rate This Article

avozdoparana@jornalavozdoparana.com.br

feito com