Jornal a Voz do paraná
HomeNoticiasAgronegócioSistema pioneiro de produção de ovos recebe certificação SISBI

Sistema pioneiro de produção de ovos recebe certificação SISBI

Sistema pioneiro de produção de ovos recebe certificação SISBI

O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou nesta terça-feira (23), em Cascavel, do evento de certificação SISBI (Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal) para a Granja Refem, que desenvolve um projeto pioneiro no Estado de produção de ovos a partir da criação de galinhas sem gaiola.

O certificado, emitido pelo Ministério da Agricultura e Prefeitura, permite a comercialização de ovos em todo território nacional. Atualmente, a Granja produz 220 mil ovos/dia e vende para cinco estados brasileiros.
O governador disse que a Granja Refem se prepara de maneira pioneira para um movimento sem volta no mercado mundial, em respeito à Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) para o desenvolvimento sustentável. “Acredito que é um ganho para Cascavel e para todo o Oeste. Também uma nova metodologia de tratamento, tem todo um bem-estar animal por traz de uma empresa como essa”, afirmou. “E esse conceito é parte da vocação do Estado, produzir alimentos para o mundo. A nossa ideia é facilitar a vida dos empresários para que possam gerar empregos e aumentar suas indústrias porque isso melhora a vida das pessoas”, acrescentou.

O secretário estadual da Agricultura e
Abastecimento, Norberto Ortigara, disse que a certificação respalda a iniciativa da empresa de adotar modelo exigido pelos novos consumidores. Ele destacou que é uma conquista para o Oeste, uma das regiões mais produtivas do Estado, e que Cascavel foi o primeiro município a aderir ao SISBI em nível nacional.

“É uma demonstração de como pode ser o Brasil que funciona bem, com visão estratégica, que acompanha o que acontece de melhor no mundo”, disse. Segundo ele, as certificações são exigências que pesam em favor dos negócios, e que o Paraná está buscando o bem-estar animal em todas as cadeias (boi, leite, suíno, frango de corte e peixe).

Segundo Renato Festugato Neto, proprietário da empresa, a granja atende os compromissos da Agenda 2030, firmados pelos países-membros da ONU, a qual o Paraná tem a missão de implementar. “Devemos ter um retorno mais longo na atividade, mas acreditamos no futuro de que o consumidor vai remunerar este ovo. Estamos um passo adiante, temos que melhorar a produtividade e desenvolver produtos compatíveis com o que o mundo está fazendo”, afirmou.

Ele citou que a Europa já proíbe a comercialização do ovo de galinhas de gaiola, que os Estados Unidos já consomem 30% na modalidade “cage free” (sem gaiola) e, o Brasil, menos de 1%. “Nosso país consome hoje 110 milhões de ovos por dia e somente 650 mil a 700 mil ovos têm a preocupação do bem-estar animal. Teremos capacidade de chegar a um milhão de ovos por dia. É um mercado em expansão, e viável, só teremos um período maior de maturação”, afirmou.

GRANJA – A Granja Refem já está adequada às normas sanitárias da ONU, que vai exigir, a partir de 2021, que a produção em todo o mundo seja feita de forma mais natural, com aves livres de gaiolas e proibição do uso intensivo de químicos, medicamentos e na ração. Até 2030, não será mais permitida a produção de ovos em sistema de gaiola.
A empresa também inaugurou nesta terça-feira um entreposto para distribuição dos ovos com credenciamento do SISBI. Ele se soma aos granjeiros e ao resto da cadeia de produção, seleção e distribuição.
Atualmente, o negócio conta com 250 mil aves e com uma produção diária de 220 mil ovos. A granja emprega 140 pessoas. “A nossa granja deve ser a primeira no Paraná com a certificação internacional, a certified human, que está em 187 países. São objetivos difíceis de cumprir pelas exigências, mas temos feito todos nas formas necessárias e conseguimos a certificação”, afirmou Festugato Neto.

Ele investiu cerca de R$ 27 milhões na reformulação do negócio e a projeção é adequar ainda mais a área de aviários para atingir 500 mil aves de postura e produção diária de um milhão de ovos. Cerca de 60% dos recursos são de capital próprio e 40% da linha Inovagro, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Festugato afirma que a produção é focada no mercado interno. “As famílias estão de olho em um ovo livre de antibiótico, com uma energia vital que vem da galinha dentro do ovo melhor. Esses consumidores já enxergam esse ovo para colocar na mesa, também uma preocupação com a saúde animal”, disse.

CAGE FREE – O sistema cage free pressupõe que as galinhas fiquem soltas dentro de um espaço reservado para a produção de ovos. Grandes varejistas trabalham somente com ovos do sistema cage free em suas cadeias de suprimentos.

SISBI – O Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI-POA), que faz parte do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa), padroniza e harmoniza os procedimentos de inspeção de produtos de origem animal para garantir a inocuidade e segurança alimentar.

PRESENÇAS – Estiveram presentes os deputados estaduais Hussein Bakri (líder do Governo), Márcio Pacheco, Coronel Lee e Marcel Micheletto; o diretor-presidente da Agência Paraná de Desenvolvimento, Eduardo Bekin; o presidente da Cohapar, Jorge Lange; o secretário municipal de Agricultura, Nei Hamilton Haveroth; e o presidente da Câmara de Vereadores de Cascavel, Alécio Espinola.

Rate This Article

avozdoparana@jornalavozdoparana.com.br