Jornal a Voz do paraná
HomeNoticiasCidadesVeja a versão do pai de amigo de menino morto ‘caçando pokémons’ no Rio Grande do Sul

Veja a versão do pai de amigo de menino morto ‘caçando pokémons’ no Rio Grande do Sul

Veja a versão do pai de amigo de menino morto ‘caçando pokémons’ no Rio Grande do Sul

O pai de um menino que estava com o garoto de 9 anos encontrado morto no Rio Tramandaí, em Imbé, no Rio Grande do Sul, contrariou a versão da polícia sobre a tragédia. Segundo as autoridades, Arthur Bobsin caiu no rio quando caçava os monstrinhos virtuais do jogo de realidade virtual para smartphone “Pokémon Go”. Mas o pai de um amigo que acompanhava a criança disse ao “Diário Gaúcho” que Arthur não tinha celular e que o telefone do seu filho não era compatível com o game.

De acordo com as informações da Brigada Militar do RS, Arthur e o amigo foram até um terreno próximo a casa de um deles e pegaram sem autorização um pequeno barco a remo usado por pescadores da região, versão confirmada pelo pai do amigo ao jornal “Diário Gaúcho”.

Segundo a polícia, o amigo, que não foi identificado, teria dito que eles foram ao rio para caçar pokémons. Os dois chegaram a entrar no rio, e a embarcação virou perto da margem. O amigo teria conseguido voltar à terra, mas Arthur desapareceu.

As buscas começaram ainda na tarde de segunda-feira, mas foram suspensas às 19h. Entretanto, o corpo do menino foi encontrado às 20h por mergulhadores profissionais, funcionários da Transpetro, que auxiliavam nas buscas voluntariamente.

O pai do menino que sobreviveu diz que a versão da polícia sobre caçar pokémons não faz sentido: segundo ele, Arthur não tinha celular e João Pedro tem um modelo simples, que não seria compatível com o jogo.

– Eles estavam jogando bola na frente de casa e decidiram entrar no barco, que não estava preso e se soltou. Eles nunca tinham feito isso antes. O meu filho pulou na água, tentou achar o Arthur e não conseguiu, conta ele.

Segundo o jornal, a versão inicial teria sido dada pela Brigada Militar a partir do que o menino teria dito a vizinhos do bairro Courhasa.

Não é exclusividade do Rio Grande do Sul ou mesmo do Brasil às polêmicas, acidentes e crimes envolvendo o recém-lançado e já sucesso extraordinário jogo “Pokémon Go”.

 

Rate This Article
Author

notificacao@agenciacaos.com