Jornal a Voz do paraná
HomeHomeEconomia homeAgência de risco melhora classificação da Copel para investidores

Agência de risco melhora classificação da Copel para investidores

Agência de risco melhora classificação da Copel para investidores

A Fitch Ratings, um dos principais agentes independentes de avaliação de risco de crédito mundiais, elevou a nota de classificação de confiabilidade da Copel para investidores. O Rating Nacional de Longo Prazo reportado pela agência passa a ser AA+(bra), em vez de AA(bra), índice concedido no ano passado. Houve ainda elevação da Perspectiva dos Ratings Corporativos de Estável para Positiva – o que indica possibilidade de eventual elevação no futuro.

A classificação se aplica à Copel, subsidiárias integrais (SIs) – Copel Distribuição, Geração e Transmissão e Telecomunicações – e suas respectivas emissões de debêntures, servindo de norte para que investidores saibam o nível de risco dos títulos de dívida que adquirem. É a maior nota de crédito nos últimos dez anos e reflete a solidez da Companhia em meio ao cenário econômico prejudicado pela pandemia da Covid-19 – momento em que parte importante das notas de crédito avaliadas pela Fitch tem sido classificada com perspectiva negativa.

“A melhora na percepção da nota em um momento de crise é o sinal de que a Copel está trilhando um caminho bem diferente e entregando menor percepção de risco”, avalia o presidente da Companhia, Daniel Slaviero. “É, ainda, reflexo direto da consistência do nosso trabalho e aumenta a responsabilidade para continuarmos perseguindo o patamar máximo da Fitch, que é uma das principais avaliadoras de risco do mundo e a principal da América Latina”, completou. O rating AA fica abaixo apenas do AAA, classificação mais alta fornecida pela agência.

A elevação da nota de crédito é mais uma confirmação do aumento da confiança do mercado – as ações da Copel já acumulam altas expressivas desde o início do ano passado – e cria um cenário favorável para uma redução adicional nos custos das dívidas da Companhia. “Isso traz a perspectiva de que iremos emitir dívidas com taxas de juros ainda menores. Diminuem-se os custos financeiros e, com isso, aumenta-se a posição de caixa, o que é bem interessante, especialmente nesse momento de crise. E traz um ganho intrínseco de imagem, com a empresa ganhando ainda mais credibilidade”, explica o diretor de Finanças e de Relações com Investidores, Adriano Rudek de Moura.

Motivadores
Segundo a Fitch, a elevação dos ratings reflete os crescentes ganhos da Copel e suas subsidiárias em eficiência e previsibilidade de resultados. No caso da Copel Distribuição, pesa na avaliação o EBITDA (lucro sem desconto de juros e impostos) de R$ 1,2 bilhão, 12% acima do estabelecido pela agência reguladora, a Aneel, assim como a expectativa de que novos investimentos programados deverão resultar em redução de custos e melhores indicadores de qualidade para a distribuidora – os quais já vêm apresentando evolução nos últimos anos. A agência estima que, após superados os efeitos da pandemia de Coronavírus, a Copel Distribuição voltará a apresentar crescimento de mercado em 2021, em torno de 3,5%, após retração de 2,9% em 2020, destacando a mitigação dos impactos neste negócio com os recursos viabilizados pela Conta-Covid (crédito que compensará a diminuição no consumo e aumento da inadimplência com a pandemia), no valor de R$ 870 milhões.

A Copel Geração e Transmissão, principal geradora de caixa do grupo, segue sendo pilar para o baixo risco de crédito, com carteira diversificada e em expansão de usinas hidrelétricas e parques eólicos, bem como entrada em operação de novas linhas de transmissão até o ano que vem. A agência destaca ainda o bom gerenciamento do risco hidrológico pela geradora, que tem margem segura na geração estimada de energia, com base nas previsões de condições como volume de chuvas e paradas para manutenção e levando em consideração a energia descontratada entre este ano e o próximo, em função da pandemia.

A agência ainda considera a robusta geração de caixa da Copel, com fluxos de caixa positivos em todos os negócios, e a alavancagem financeira conservadora, que leva em consideração o cálculo dívida líquida ajustada/EBITDA, atualmente em índices confortáveis – e com vistas a melhorarem ainda mais com a perspectiva de desinvestimento na subsidiária de Telecomunicações.

“É um resultado composto pela eficiência em todos os nossos negócios e que leva em consideração nossa capacidade de investimentos para este e os próximos anos”, destaca o diretor de Finanças.

A análise
Agências de classificação, como a Fitch, apontam o risco de investimento de acordo com a capacidade de um emissor honrar suas obrigações financeiras. Investidores de todo o mundo utilizam essas notas como referência para a decisão de onde e como aportar seus recursos. Se as finanças são sólidas, a comunicação com o mercado é clara e o histórico de cumprimento de compromissos é bom, a nota dada pelas agências de rating é mais alta.

Rate This Article

avozdoparana@jornalavozdoparana.com.br