Jornal a Voz do paraná
HomeNoticiasAgronegócioAgronegócioAgricultura do Paraná prevê safra de 19 mi de toneladas de soja

Agricultura do Paraná prevê safra de 19 mi de toneladas de soja

Agricultura do Paraná prevê safra de 19 mi de toneladas de soja

A Secretaria da Agricultura e Abastecimento elevou novamente a projeção de produção de soja para a safra 2016/17, que deve ultrapassar as expectativas anteriores. Conforme acompanhamento do Departamento de Economia Rural (Deral), o Paraná deverá colher um volume recorde 19 milhões de toneladas de soja, impulsionado pela elevada produtividade que está sendo revelada pelo avanço da colheita.
A reavaliação de safra feita pelo Deral constatou que o clima foi excepcional durante o desenvolvimento da safra 16/17, favorecendo o desempenho das principais culturas cultivadas no período do verão: soja, milho e feijão. A nova projeção para a safra de verão aponta para um volume de 24,2 milhões de toneladas, 19% acima da safra anterior.
Para o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, as novas estimativas para a safra de verão 2016-2017 confirmam a eficiência dos produtores rurais paranaenses, que ano a
ano, buscam acompanhar e aprimorar o desenvolvimento tecnológico como forma de melhorar a produtividade e a rentabilidade das lavouras. “Esse processo constante de capacitação e aprimoramento tecnológico reduz o risco e se traduz em produtividade e qualidade, características presentes em toda cadeia produtiva do setor agropecuário
paranaense”, afirmou Ortigara.
De acordo com o diretor do Deral, Francisco Carlos Simioni, praticamente todas as culturas foram favorecidas pelo clima, caracterizado pela corrente La Niña, que teve um comportamento mais fraco do que o esperado. Com temperaturas mais amenas na primavera e chuvas regulares durante todo o ciclo das culturas, atrelado ao emprego de tecnologia adequada, o resultado foi positivo. “Isso está sendo comprovado com as produtividades acima do previsto”, explicou.
COLHEITA
Cerca de 77% da área plantada com soja já foi colhida, indicando uma produtividade 5% acima da média inicialmente prevista. Segundo o economista do Deral, Marcelo Garrido, o Paraná está colhendo uma média de 3.655 quilos por hectare de soja, o que está elevando a produção da soja deste ano em 15%, em relação à produção anterior.
O bom desempenho também está ocorrendo com o milho. Segundo o Deral, o avanço da colheita revelou uma produtividade média no Paraná de 9.,1 mil quilos por hectare, a maior já registrada no Estado. Segundo o técnico Edmar Gervásio, do Deral, deverá ser colhido um volume de 4,6 milhões de toneladas na primeira safra, 40% superior à safra colhida no mesmo período do ano passado, apesar do recuo de área plantada de 21%.
A produtividade média do milho, obtida este ano no Paraná, revela que ela dobrou em relação às produtividades de 10 anos atrás, quando a média oscilava ao redor de quatro mil quilos por
hectare. Segundo Gervásio, a tecnologia aplicada hoje em sementes, plantio, manejo de solos e novas cultivares, estão possibilitando
essa excelência em produção de milho.
A segunda safra de milho já está com 94% da área prevista (2,35 milhões de hectares) plantada. A área será 7% maior em relação ao ano passado, a maior da história. De acordo com o Deral, a projeção de produção para o milho da segunda safra aponta para um volume de 13,6 milhões de toneladas. A concretização dessa expectativa depende do comportamento do clima durante o
outono e início de inverno.
FEIJÃO
A segunda safra de feijão já foi 100% plantada, ocupando uma área de 230 mil hectares, 13% acima da área ocupada no mesmo período do ano passado. O Deral está projetando uma produção de 424.341 toneladas de feijão, considerando um aumento de 25% na produtividade.
Esse aumento no rendimento embute a volta da normalidade da safra, que teve muito prejuízo no ano passado. Cerca de 91% da cultura que está em campo está em boas condições de desenvolvimento, sendo que daqui para frente o comportamento do clima será decisivo no resultado final.
A primeira safra de feijão já foi encerrada, com a colheita de 362 mil toneladas, volume 23% acima do obtido no ano passado. De acordo com o economista do Deral, Methódio Groxco, foi uma safra cheia, praticamente sem quebra de produção, como aconteceu em anos anteriores. O clima colaborou e a tecnologia empregada pelos produtores, também. Com o aumento da oferta de feijão no mercado, os preços estão menores que no ano passado, apesar de ainda estarem acima do preço mínimo previsto para o grão.

Rate This Article
Author

notificacao@agenciacaos.com