Jornal a Voz do paraná
HomeHomeItaipu recupera sistema de energia solar na Amazônia

Itaipu recupera sistema de energia solar na Amazônia

Itaipu recupera sistema de energia solar na Amazônia

Uma equipe de técnicos da Itaipu Binacional recolocou em operação, de 21 a 30 de setembro, em uma comunidade da região amazônica, um sistema autônomo para geração e armazenamento de energia solar, composto por baterias de sódio recicláveis e painéis fotovoltaicos. O sistema está instalado junto ao Pelotão Especial de Fronteira (PEF) do Exército em Tunuí-Cachoeira, distrito de São Gabriel Cachoeira (AM), próximo da fronteira com a Colômbia. No local, além dos militares, vivem um grupo indígena da etnia Baniwa.

O projeto começou a ser desenvolvido pela Itaipu em 2014, em parceria com o Exército Brasileiro. O objetivo é dar segurança energética a comunidades isoladas do País, que não são atendidas pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), a partir de fontes renováveis. Espera-se que disponibilidade de energia melhore a qualidade de vida e abra oportunidades de desenvolvimento econômico para as populações locais. Ao mesmo tempo, proteja o meio ambiente.

Em 2016, uma unidade de demonstração foi instalada no Quartel General do Exército, em Brasília, confirmando a viabilidade do projeto. Em 2018, os equipamentos foram levados para Tunuí-Cachoeira e chegaram a funcionar por cerca de dois meses. Mas depois apresentaram problemas técnicos e ficaram fora de operação.

Com o apoio do Exército, os técnicos de Itaipu corrigiram os problemas e religaram o abastecimento da comunidade. A expectativa é que, a partir de agora, a energia gerada nos painéis fotovoltaicos atenda a demanda local, substituindo gradativamente o gerador a diesel (combustível fóssil). Além da redução das emissões de dióxido de carbono (CO²), haverá economia: o valor do óleo diesel que alimenta o gerador é encarecido na Amazônia pelos custos do transporte, feito de balsa, levando dez dias de Manaus a Tunuí, ao custo de R$ 45 o litro.

O projeto vai beneficiar aproximadamente 60 militares do pelotão do Exército (alguns que vivem no local com suas famílias) e a comunidade indígena com aproximadamente 200 pessoas, levando mais energia para casas, escritórios, escola, igreja e ambulatório médico, além da iluminação das ruas.

Antes do sistema, o diesel conseguia suprir apenas o PEF por oito horas por dia. Agora, o pelotão tem energia 24 horas por dia e a comunidade passou a ter energia das 8h às 24h. Com base na atual demanda de energia (PEF + comunidade), estima-se que o sistema está evitando o consumo anual de 98.550 litros de diesel, o que representaria 256,2 toneladas de CO² (ou 1.790 árvores).

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, defendeu o investimento lembrando que a maior parte da Amazônia fica em território brasileiro e que é necessário aliar qualidade de vida, desenvolvimento econômico, defesa das fronteiras e preservação do meio ambiente. “Sem energia, não há desenvolvimento. Esse sistema oferece uma solução com energia limpa, renovável, e tem potencial para ser levado para outras comunidades isoladas do País”, afirmou.

A iniciativa vai ao encontro do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, que em seu recente discurso na Cúpula Sobre a Biodiversidade da ONU destacou a importância de “combinar sustentabilidade com desenvolvimento e preservação ambiental com inovação econômica”, afirmando ainda que “o governo mantém firme o compromisso com o desenvolvimento sustentável e com a gestão soberana dos recursos brasileiros”.

“A atividade faz parte de um projeto entre a Itaipu e o Exército Brasileiro. Evidencia a importância da união de esforços para implantar novas tecnologias que deem viabilidade para que empreendimentos como esse possam existir, evidenciando a sinergia entre a natureza, tecnologia e desenvolvimento”, completou o diretor de Coordenação de Itaipu, general Luiz Felipe Carbonell.

O técnico eletromecânico Claudinei Guilherme Hoffmann, da Divisão de Serviços de Itaipu, esteve na localidade em 2017, para a instalação física dos equipamentos, e retornou agora em setembro. Segundo ele, houve melhoria nas condições de infraestrutura da comunidade, como as instalações elétricas da rede pública, que possibilitarão um melhor funcionamento do sistema. Além disso, a expectativa de ter maior disponibilidade de energia animou os moradores, que agora já podem adquirir com segurança equipamentos elétricos, como freezer e geladeira.

Hoffmann acrescentou que, na próxima fase do projeto, a ideia é capacitar mão de obra local para a manutenção do conjunto, com apoio do Exército. Por enquanto, já é possível fazer o monitoramento remoto dos equipamentos, em tempo real, com auxílio de uma plataforma Web. “Enquanto o sistema estiver ativo, poderemos ver se as baterias estão carregadas, descarregadas ou quando o gerador é ligado”, exemplificou.

Como funciona
O sistema instalado pela Itaipu na Amazônia integra gerador, um banco de 12 baterias de sódio recicláveis e 63 conjuntos de painéis fotovoltaicos com potência de 180 kWpico, operados com apoio de módulos de controle e monitoramento a distância. Os painéis produzem energia suficiente para atender a demanda do PEF, da comunidade indígena e ainda carregar as baterias.

O sistema é híbrido bidirecional, ou seja, durante o dia, a energia gerada no painel fotovoltaico alimenta a rede e o excedente carrega a bateria; à noite, quando não há luz solar, ocorre o contrário: a bateria abastece a rede. A ideia é que o gerador a diesel funcione apenas como backup.

Rate This Article

avozdoparana@jornalavozdoparana.com.br