Jornal a Voz do paraná
HomeHomePiana: Ratinho tem muito a contribuir com o Paraná

Piana: Ratinho tem muito a contribuir com o Paraná

Piana: Ratinho tem muito a contribuir com o Paraná

Devido ao seu tamanho, alcance e importância, o agronegócio é assunto que merece toda dedicação. “No novo governo do Paraná, ele será prioridade”. A frase é do vice-governador do Estado do Paraná, Darci Piana, que ao lado do governador Ratinho Junior quer transformar o Estado em um dos melhores para se viver, investir e prosperar.
Ao mesmo tempo em que incentiva o aumento de produtividade no campo, o governo passa a estimular a agroindustrialização, de olho na geração de mais empregos, mais renda e mais receita ao agricultor. Piana considera eventos técnicos, a exemplo do Show Rural Coopavel, como estratégicos para disseminar conhecimentos de maneira rápida e eficiente. “E somos parceiros, porque o agronegócio é à base de nossa economia”.
A tecnologia e seus impactos no mundo moderno e, principalmente, nos segmentos da agropecuária, é um caminho sem volta. “Eventos como o Show Rural Coopavel permitem ao agricultor se informar e se manter conectado a esse novo mundo de tantas possibilidades”, enfatizou Darci Piana. Ao lado do secretário de Estado da Agricultura, Norberto Ortigara, o vice-governador afirmou que o governo de Ratinho Junior vai colocar em prática diversos programas de valorização da agropecuária e de seus atores.
Em entrevista ao jornal A Voz do Paraná, o vice-governador do Estado, relatou que permanecerá frente à presidência da Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio), e que o trabalho não para. “Não abri mão da diretoria da direção da Fecormércio, não é incompatível, mas, é claro que eu vou passar dois ou três meses afastado, para ver qual é a função que eu vou ter dentro do governo do Estado e, se necessário for, eu me afasto da presidência da federação, mas, lembrando ainda que também sou presidente do Concelho do Sebrae, então, trabalho tem pela frente, mas, trabalho não me assusta”, comentou Darci.
Piana se licenciou do posto de presidente da Fecomércio no ano passado para disputar a vice-governadoria. “Ele representa um setor que gera 63% dos empregos do Paraná e não será um vice que só vai trabalhar quando eu estiver ausente, mas será meu braço direito e atuará comigo de manhã, tarde e noite”, disse o governador Ratinho Junior.
Piana afirmou que vai ter uma dedicação especial para transformar o Estado do Paraná no melhor do País. “Vamos contar com o apoio do povo que nos elegeu e vamos dar a resposta com muito trabalho”, disse. “O diálogo nunca vai deixar de existir e nossa primeira atitude será ouvir as demandas da sociedade e de todos os setores”, acrescentou.
Nascido no município de Carazinho (RS), o empresário de 76 anos veio para o Paraná ainda jovem. Foi presidente do sindicato do Comércio Varejista de Veículos, Peças e Acessórios do Paraná (Sincopeças), fundador e primeiro presidente da Cooperativa de Crédito do Sincopeças (Sincocred) e presidente do Conselho da Paranacidade.
Também exerceu a superintendência regional da Companhia de Financiamento da Produção do Paraná, além da presidência do Conselho Deliberativo do Sebrae Paraná. Piana também tem ligação com futebol. Ele presidiu o Paraná Clube nos anos de 1992 e 1993.
Leia, a seguir, a íntegra da entrevista:

Jornal A Voz do Paraná: Você abriu mão de liderar a Fecoméricio para estar ao lado do governador Ratinho Junior, encarando um novo desafio, já que nunca foi político. Como você sente neste processo?
Darci Piana: Na verdade, eu não abri mão da diretoria, da direção da Fecormércio, não é incompatível, mas, é claro que eu vou passar dois ou três meses afastado, para ver qual é a função que eu vou ter dentro do governo do Estado e, se necessário for, me afasto da presidência da federação, mas, lembrando ainda que também sou presidente do Concelho do Sebrae, então, trabalho tem pela frente, mas, trabalho não me assusta, o que me assusta um pouco é essa mudança de critério, eu sou acostumado com os órgãos que eu me mantive por muito tempo (Fecomércio, Sesc, Sebrae) e na política muda um pouco, principalmente, nesse início de governo, porém, logo toda a nossa gestão estará bem organizada, as nossas secretárias estarão em pleno funcionamento e o nosso governo totalmente estruturado. Eu tenho a plena certeza de que as coisas vão melhorar bastante, todavia, com a minha experiência eu possa ajudar o Ratinho Junior a transformar o Paraná, dar a minha parcela de contribuição, levar o conhecimento que eu tenho na área tributária, de investimentos e de gestão. Vou tentar fazer a minha parte no governo e ajudar o meu Estado.

Jornal A Voz do Paraná: Você tem um carinho muito grande pela região Oeste do Estado e, principalmente, por Cascavel. A instalação do governo em Cascavel, no início do governo de vocês, o que significa para a a região e também para o nosso governo?
Darci:
Dentro do governo, por exemplo, é uma novidade e para a região é de uma importância extraordinária. Veja bem, todos os secretários estiveram presentes no Show Rural Coopavel, todos com agendas paralelas a do governador e cada um com sua parcela de contribuição que mostra esse relacionamento com o comércio, com o empresário, com os políticos, com os prefeitos e vereadores da região. o que é fundamental. Eu costumo dizer que sou um homem de vendas e em uma feira temos que ver que não é importante a venda que acontece, mas, esse diálogo e proximidade que ela traz entre o fabricante e o comprador. É uma boa analogia ao que está acontecendo entre o governo e os municípios, essa liberdade de saber onde buscar resolução para as suas necessidades, que evita que o gestor fique rodando de gabinete em gabinete.

Jornal A Voz do Paraná: Você é um empresário bem-sucedido e não necessitaria da política para sobreviver. No entanto, você se colocou à disposição, colocou suas habilidades para trabalhar a serviço do Paraná. O que levou você a entrar na política?
Darci:
Eu levei dez meses para dar a resposta para o Ratinho Junior. Eles foram em três para me convidarem e eu disse a eles o seguinte: como vocês pretendem chegar à algum lugar apenas com dois partidos? E eles me disseram que iam formar alianças políticas. Então, eu disse: quando vocês tiverem com essas alianças formadas, vocês voltem a falar comigo. E aí eles voltavam todo mês e eu comecei a discutir política, mostrando um pouco daquilo que eu faço todo dia, apresentando objeções e o resultado foi, um dia antes do último dia para registrar a chapa, voltaram com mais ou menos seis pesquisas que evidenciava que eu seria útil nesses processo, veio a discussão de quem seria o vice e me convenceram que eu seria a opção ideal, mas, mesmo assim, eu ainda questionei sobre o meu papel no governo, aí o Ratinho me fez diversos questionamentos: não é você que tem conhecimento sobre a agricultura? Não é você quem participava das reuniões do Cetap e do Senar? Não é você que tem um estrutura de turismo dentro da federação? Não é você que vai ao Palácio toda semana dizer que estamos perdendo empresas toda semana no Paraná, que estão migrando para Santa Catarina ou São Paulo? Você vai ajudar muito. Eu tentei segurar mais um pouco, alegando que eu tinha uma mulher, que está comigo há 50 anos e que eu não iria obrigar ela a aceitar as minhas vaidades, então, a palavra dela era decisiva na minha decisão, mas, em conversa com toda família e a compreensão deles, acabei aceitando e acredito que posso dar uma boa contribuição com o que eu já sei e o que eu tenho para fazer no Estado.

Jornal A Voz do Paraná: Quando você soube da vitória nas urnas, qual foi o sentimento?
Darci:
Com certeza, muito acima daquilo que eu esperava. Eu não sou mais uma criança e já passei por vários governadores, vários presidentes, vários deputados, participar disso é uma coisa, mas, quando chega a sua vez, a tua hora, a coisa muda um pouco e uma campanha política é um negócio extraordinário que não temos noção e não se consegue mensurar. São mil, mil e quinhentas pessoas que te abraçam e te desejam sucesso e você vê que saiu vitorioso em ideias que você sugeriu e que foram acatadas pela maioria da população e, felizmente, tem mais gente de bem do que gente do mal. As pessoas de bem escolheram um governador novo, porém, muito preparado e que fará um grande governo, porque nós vamos ajudá-lo e ele vai contribuir muito com o crescimento e desenvolvimento do Paraná.

Rate This Article

avozdoparana@jornalavozdoparana.com.br