Editorial

Vale do Pinhão: inovação das araucárias

O que é inovação? Como inovar? Por que algumas empresas conseguem inovar e outras não? As perguntas ao redor do assunto são muitas e normalmente surgem porque as pessoas associam inovação com algo grandioso, que consome muito tempo e dinheiro para ser realizado. As startups encontraram uma forma de inovar por meio de muito trabalho, inspiração, visão e uma busca contínua por fazer uma determinada coisa de maneira cada vez melhor.

Startups são empresas em constante processo de construção, que estão sempre em busca de caminhos melhores para atingir seus objetivos. Dessa forma, seus colaboradores estão sempre expostos a novas experiências e as fontes de inspiração são uma constante, sem amarras. É justamente isso que faz das startups uma força considerável de impulso para a inovação. Elas têm funcionado como fonte de inspiração e criatividade, estimulando a criação de uma cultura de inovação.

Tudo isso tem trazido reflexos positivos para o mercado, contribuindo para a recuperação da economia. E dentre os estados brasileiros que vêm se destacando na criação e desenvolvimento de startups está o Paraná. Segundo a última edição do Mapeamento das Startups Paranaenses, realizado pelo Sebrae-PR, o Paraná encerrou 2020 com 1.434 startups registradas, 28% a mais que em 2019. E temos que destacar que esse crescimento expressivo se deu em um ano tão desafiador como foi o ano que passou. O Paraná conta hoje com seis ecossistemas de inovação emergentes em todas as regiões do estado e um sétimo ecossistema que está sendo criado no Litoral. É visível que esses ecossistemas estão em pleno crescimento. Um terço dessas startups estão localizadas na região de Curitiba, que já ganhou o nome de Vale do Pinhão. 

Outros dados também confirmam o estado como uma referência importante no setor de inovação e tecnologia. De acordo com a pesquisa Tech Report 2020, o Paraná liderou a produtividade e foi o estado que mais aumentou o faturamento do setor de tecnologia em 2019, ultrapassando territórios com tradição na área, como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Segundo o levantamento, as 19,6 mil empresas de Tecnologia da Informação (TI) do Paraná faturaram, em 2019, R$ 21,2 bilhões, valor que ficou abaixo apenas do estado de São Paulo, que concentra quase metade das empresas do setor. Enquanto na média nacional houve queda no faturamento, o Paraná apresentou o melhor desempenho do País, com crescimento de 25,6% com relação ao ano anterior. Com isso, a produtividade do setor no Paraná chegou a R$ 90 mil no ano passado, valor bem acima da média brasileira, de R$ 52 mil, e de Santa Catarina, que vem na segunda posição, com R$ 77 mil.

Tudo isso é reflexo dessa cultura de inovação que se consolida a cada dia mais em nosso estado. E ainda há muito mais por vir. O Brasil possui hoje 12 unicórnios - empresas que já atingiram valor de mercado superior a US$ 1 bilhão e que possuem capital fechado - sendo dois deles paranaenses: Ebanx e Madeira-Madeira. O estudo "Corrida dos Unicórnios", realizado pelo hub de inovação Distrito, apontou, no início de 2021, 17 startups brasileiras aspirantes a entrar para o clube do bilhão neste ano. Três delas são de Curitiba: Olist, Contabilizei e Pipefy. Este é o empreendedorismo do futuro: carregar consigo a marca da inovação em busca de sucesso, prosperidade, mas também de um mundo que deve mudar para melhorar constantemente.

*Cesar Cantarella é CEO da DealerSites, startup de Curitiba e uma das 10 startups brasileiras selecionadas para  o programa de aceleração Google For Startups Brasil.